Jogos falam polonês

Já faz um tempo que podemos sentir uma presença bem-vinda da Europa. Enraizada numa região que sofreu com as duas Grandes Guerras, a Polônia tem se destacado no desenvolvimento de jogos, e para nós que gostamos, isso é ótimo.

Um país pouco menor que o Estado do Maranhão e com cerca de 32 milhões de habitantes, a Polônia vivenciou nessas últimas décadas um crescimento exponencial na indústria de jogos. Esse panorama otimista não foi sempre assim.

Imagem

Games Market em Varsóvia (anos 1990) - Eurogamer


Até a década de 1990 o país não sabia lidar muito bem com a propriedade intelectual de jogos, músicas, literatura e demais criações artísticas. A pirataria e falsificações eram comportamentos dos mais triviais entre jogadores e até empresas. Cópias não autorizadas inundavam o mercado local e versões polonesas de consoles serviam para continuar a jogatina. No final desta mesma década o país finalmente regulamenta a lei de direitos autorais e o pano histórico do jogos eletrônicos começa a mudar.

Em 1994, foi criada a então distribuidora CD Projekt, que trabalhava em localizar (traduzir) jogos do inglês para o polonês de forma "oficial". Num mercado desacreditado, a CD Projekt levantava a bandeira de agregar valor ao produção original e seus benefícios em relações as cópias piratas. Em 2007, a distribuidora lançava sua primeira obra autoral, The Witcher, através de um estúdio próprio, CD Projekt Red.

Imagem

Logo - CD Projekt


Muito do que vimos da produção polonesa leva sua cultura enraizada. O "cenário medieval" de The Witcher não é um cenário comum. Andrzej Sapkowski, autor da obra em que se baseia o jogo, é influenciado pela cultura da Europa Cental e seus pormenores. Vivenciar a guerra (Polônia passou por duas) pela ótica de um civil também não é algo comum de se ver, e isso foi retratado em This War of Mine (11 bit studios). A oportunidade de mostrar a cultura polaca em jogos digitais fez aflorar um mercado vibrante que conquistou o restante do mundo.

Numa entrevista ao portal Vice em 2017, Karol Zajaczkowski (então gerente de marketing da 11 bit stutios) falou algo interessante a respeito do cenário de jogos:

Citação: Antes ninguém nem sabia onde o país ficava, mas agora um jogo ser polonês é como um selo de qualidade, as pessoas sabem que jogos vindos da Polônia devem ser no mínimo interessantes.


A crescente leva de produções polonesas também se destaca na Steam (maior loja digital de jogos da atualidade). Em 2018, em comemoração a independência do país, podemos aproveitar quase uma semana de promoções em jogos feitos por desenvolvedoras locais.

Também podemos perceber a presença da influência polonesa quando buscamos por jogos na Steam e filtramos por linguagem. O polonês (42 milhões de falantes) tem quase a mesma quantidade de jogos que os localizados em português, a quinta língua mais falada no mundo, com cerca de 250 milhões de falantes.

Imagem

Observer - Bloober Team


Estúdios como a 11 bit studios (This War of Mine e Frostpunk ), Bloober Team (Layers of Fear e &rt;observer_), CI Games (Sniper Ghost Warrior e Lords of the Fallen) e Techland (Call of Juarez e Dead Island) são alguns exemplos de produtoras que conseguiram atenção internacional.

Com os anúncios de produções futuras causando esperança para uma boa leva de jogos, o que podemos esperar dos poloneses?

Imagem

Cyberpunk 2077 - CD Projekt Red


Referências:

Vice - https://www.vice.com/pt_br/article/3kax4j/wpt-o-brasil-deveria-aprender-uma-coisinha-ou-outra-com-a-polonia-sobre-games

Eurogamer - https://www.eurogamer.net/articles/2013-11-06-seeing-red-the-story-of-cd-projekt

Poland Studios - https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Video_game_companies_of_Poland

Comentários

18 Abr, 2019 - 18:09

759 Views

Comentários